Hortaliças Plantas

Alecrim: você sabia que o alecrim é uma espécie de sálvia?

De acordo com a Royal Horticultural Society (RHS), uma instituição de horticultura do Reino Unido, o alecrim é, na verdade, uma espécie de sálvia, alterando assim, o seu nome científico.

O alecrim é conhecido pelo nome de Rosmarinus officinalis desde 1753, uma espécie da mesma família da sálvia, as Lamiaceae, mas distinta da sálvia devido a uma diferença nos estames das flores das duas plantas.

Hoje, acredita-se que essa diferença não seja significativa o suficiente para considerar as duas plantas distintas; embora o alecrim vem sendo considerado um gênero diferente da sálvia há mais de 200 anos; seu nome científico foi modificado de Rosmarinus officinalis para Salvia rosmarinusindicando uma variedade de sálvia.

O alecrimSalvia rosmarinus), é pequena planta perene da família da hortelã (Lamiaceae); suas folhas são usadas para dar sabor aos alimentos. Nativo da região mediterrânea, o alecrim se naturalizou em grande parte da Europa e é amplamente cultivado em jardins em climas quentes. 

No Brasil, o alecrin chegou na época da colonização e recebeu diversos nomes populares como: rosmarinho, rosmaninho, alecrim comum, alecrim de cheiro, alecrim de jardim e alecrim de horta.

As folhas têm um sabor picante, ligeiramente amargo e, secas ou frescas, geralmente são utilizadas para temperar pães, peixes, carnes (principalmente de cordeiro) e molho de tomate. Realça o sabor dos cogumelos, legumes e batatas assados e aromatiza como ninguém os azeites. Aliás, uma forma inteligente de armazenar folhas frescas de alecrim é espalhá-las por bandejinhas de gelo e enchê-las com azeite, congelando em seguida. 

Descrição física

O alecrim é um arbusto perene que atinge de 0,50 cm até 2 metros de altura, com folhas resinosas, coriáceas, lineares e verde-escuras na parte superior e verde-acinzentadas na inferior. O caule, quadrado, torna-se lenhoso à partir do segundo ano. As pequenas flores azuladas nascem em cachos axilares e são atraentes para as abelhas. O alecrim é bastante resistente à maioria das pragas e doenças das plantas , embora seja suscetível a certas infecções fúngicas, como o oídio, em climas úmidos. Também é um hospedeiro comum para cigarrinhas. As plantas são facilmente cultivadas a partir de estacas.

História e usos do alecrim

Com flores aromáticas brancas, rosadas, lilases ou azuladas, o alecrim foi batizado de
Rosmarinus (“orvalho do mar”, em latim) porque crescia espontaneamente na areia das praias do Mediterrâneo. Diz-se que suas flores ajudaram a rainha Isabel da Hungria a se curar de gota, em 1338. Napoleão Bonaparte se refrescava com uma colônia de folhas de alecrim e até mesmo Shakespeare recomendava a erva para “os homens de meia idade”.

A fama do alecrim como planta de usos mágicos é ainda mais antiga: os gregos acreditavam que a erva só brotava na casa dos justos e os ingleses até hoje cobrem os túmulos dos heróis com ramos frescos. Feiticeiros e curandeiros medievais também usavam as folhas queimadas sobre brasa para proteger seus lares contra o mal.

Muitas dessas superstições se baseiam numa verdade: os óleos aromáticos do alecrim, de fato, afastam muitos males. São eles os responsáveis por manter as traças longe das roupascombater a caspa no couro cabeludo e afastar vermes atraídos por corpos em decomposição. O forte sabor que sentimos ao mastigar um ramo fresco lembra o cravo, pinho, cânfora, hortelã, gengibre e noz-moscada – use-o com moderação especialmente em pratos de longo cozimento, porque o calor não dissipa os aromas.

Supunha-se que o alecrim fortalecia a memória; na literatura e no folclore, é um emblema de coragem e fidelidade. O alecrim é ligeiramente estimulante. Na medicina tradicional, era um componente aromático popular de tônicos e linimentos. Hoje, seu óleo perfumado é um ingrediente em vários produtos de higiene pessoal e em vermute. O teor de óleo essencial é de 0,3 a 2 por cento e é obtido por destilação; seu principal componente é o borneol.

Benefícios do alecrim

Um dos principais nutrientes do alecrim é a vitamina A, que é essencial para os olhos e a pele, previne infecções e tem forte ação antioxidante. O tempero também conta com a vitamina C que melhora a imunidade, evita o envelhecimento da pele, previne derrames, tem ação antioxidante e proporciona resistência aos ossos.

A vitamina K também está presente, sendo relevante para a coagulação sanguínea e fixação do cálcio nos ossos. O alecrim ainda conta com as vitaminas B1 e B2, em que ambas agem no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajudam o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência.

Além disso, elas também desempenham um papel importante na formação da bainha de mielina, que fica em torno das fibras nervosas e permite mensagens entre os nervos. O alecrim conta com compostos fenólicos que têm atividades biológicas importantes, como antioxidantes, anti-inflamatórias, anti-carcinogênicas, entre outras.

Como plantar alecrim?

Você pode plantar o alecrim no solo ou em vasos. Se optar por plantá-lo em vaso, o ideal é adquirir um que seja grande, pois essa planta costuma crescer bastante, entre um a dois metros de altura. A terra de plantio deve estar misturada à areia, lembrando sempre que a planta gosta de solos mais secos.

É muito importante criar uma camada que ajude a drenar a água e deixar o solo agradável ao alecrim. Você pode comprar manta bidim ou argila expandida, que são ótimos na drenagem da água. Já o adubo precisa ser rico em nitrogênio.

Muda, semente ou estaquia: qual utilizar?

Antes de começar o plantio, é importante estabelecer qual vai ser o método de origem da plantinha. Os métodos mais conhecidos são por meio da muda ou da semente de alecrim. Ambos podem ser adquiridos em lojas especializadas.

Existe outro método interessante de como plantar alecrim: a estaquia. Com essa técnica, você vai precisar de um ramo da plantinha de 15 a 20 centímetros. Primeiro deve-se limpá-lo e tirar suas folhas, pois isso ajuda no crescimento.

Passo a passo

Na hora de plantar em vasos, o primeiro passo é colocar a camada de drenagem, com a argila ou a manta bidim. Ela deve ser montada com bastante cuidado, pois um solo muito úmido pode acabar atrapalhando o desenvolvimento da planta.

Depois, coloque a terra e a areia misturadas. Em seguida é só colocar a muda, a semente ou o ramo no vaso, tomando cuidado para que fique bem firme e mais no centro, para que possa crescer de forma saudável.

Cuidados com o alecrim

O alecrim é bem fácil de ser administrado, mas é importante sempre estar atento aos cuidados diários com ele. No começo, o ideal é molhá-lo mais frequentemente, para depois deixar o solo mais arenoso com regas apenas duas vezes durante a semana.

É uma planta que adora a luz solar direta. São necessárias de três a cinco horas de iluminação por dia. Além desses cuidados, você pode realizar podas que ajudam a manter a aparência original da planta. Depois de noventa dias, o alecrim já está pronto para ser colhido e apreciado.


Publicidade

banner

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.