Plantas Suculentas

Aloe vera: como plantar e cuidar da Babosa

A Aloe vera é uma suculenta chamada popularmente pelo nome de Babosa, porque, do interior de suas folhas, sai uma substância gelatinosa (uma “baba”), conhecida por, entre outras coisas, ajudar na cicatrização de feridas e para auxiliar na hidratação de pele e cabelos. 

Apesar da semelhança com os cactos, a Aloe vera é na verdade um membro da família Asphodelaceae, não da família das cactáceas.

O nome aloe é derivado da palavra árabe “alloeh” que se traduz como “substância amarga brilhante” e a palavra latina vera significa “verdadeiro”.

As folhas espessas, esguias e espinhosas do Aloe Vera crescem a partir de um pequeno talo junto ao chão, podendo chegar a até 50 cm de comprimento.

Cada inflorescência reúne entre 100 a 200 flores tubulares pequenas, de cor amarelo-claro, dispostas de forma helicoidal ao longo do escapo floral. O fruto é uma cápsula triangular e reúne numerosas sementes de coloração preta.

As folhas têm três componentes principais: a “casca” verde externa ou pele, uma camada de látex e a camada de mesofilo, a baba conhecida como “gel”. É este gel que armazena água para permitir que a planta fotossintetize durante os períodos de seca.

Composto por 99% de água e uma variedade de aminoácidos, enzimas, minerais, lipídios, vitaminas e hormônios anti-inflamatórios, o gel de aloe vera é uma substância viscosa, de coloração variando entre cristalino e amarelado, e sabor amargo, muito popular em práticas medicinais tradicionais e naturais em todo o mundo.

Tipos de Aloe Vera

Existem cerca de 300 espécies do gênero Aloe em todo o mundo, mas aqui no Brasil, mais comumente encontramos 3 tipos, que são:

1 – Aloe Vera (babosa)

Com folhas grossas e robustas, a Aloe Vera, que chamamos de babosa, contém um gel por dentro de suas folhas, que é especificamente recomendado para cuidados da saúde e estéticos, como por exemplo, alívios de queimadura de primeiro grau ou cicatrizantes, para tratar doenças de pele como picadas de insetos e até mesmo a acne. A Aloe Vera é encontrada em muitos produtos que você encontra em farmácias, supermercados, em diversas opções de cosméticos naturais e orgânicos.

2 – Aloe Maculata

Apesar de ser bastante semelhante à Aloe Vera, a Aloe Maculata se diferencia em suas pontas, que são avermelhadas. É muito importante ter atenção à essa planta, pois diferente da Aloe Vera, seu gel não pode ser aplicado sob a pele, por causar irritações que podem ser bastante prolongadas. Atente-se à coloração de suas pontinhas!

3 – Aloe Arborescens

Especialistas indicam que essa espécie é a que contém os nutrientes e benefícios mais puros para os cuidados com a saúde, graças às suas propriedades fitoterapêuticas. Contudo, a Aloe Arborescens (que já nos remete à palavra “árvore” em seu nome), tem um tamanho diferente das demais, podendo alcançar até mais de 1m de altura e diâmetro, o que dificulta seu cultivo. Normalmente é encontrada em regiões de montanhas.

Apesar de serem espécies de uma mesma família, a babosa mais utilizada é a Aloe Vera. Por ser uma planta de baixa manutenção é muito fácil cultivá-la em casa! Veja como:

Cuidados com a Babosa

É importante manter a sua babosa saudável ao seguir dicas de manutenção e propagação da planta. Confira os passos a seguir:

  • Rega: como a babosa é uma planta suculenta, ela não gosta de solos encharcados. Por isso, regue-a uma vez por semana, pulverizando a água sobre a planta.
  • Luminosidade: deve ser cultivada em sol pleno ou meia-sombra. Se a sua babosa estiver dentro de casa, escolha um local que receba, ao menos, 8 horas de luz natural por dia.
  • Solo: a planta requer um solo bem drenado, com pouca argila para que drene bem a água e não tenha risco de a raiz apodrecer. O recomendado é uma mistura de 50% de areia média e 50% de terra orgânica adubada ou mistura de terra para cactos e suculentas que contenha bastante fósforo.
  • Escolha do vaso: o vaso deve ser amplo, com espaço suficiente para as raízes que são extensas, crescerem. Para manter a sua planta sempre linda, realize podas das folhas danificadas, para evitar pragas e doenças, e corte o excesso de folhas para que ela continue cabendo no vaso.

Como Plantar Aloe Vera

Para plantar misturar composto orgânico, húmus de minhoca e areia na proporção de 1:1:2. Se o plantio for unitário em canteiros usar o espaçamento de 0,60 m entre mudas numa linha.

Abrir um buraco um pouco maior que o torrão, retirar a muda do vaso ou saco de cultivo com cuidado para não danificar as raízes. Colocar parte do substrato misturado no fundo, acomodar o torrão e preencher as laterais com a mistura. Regar bem.

Não existe época certa para plantar a babosa, desde que haja regas para que a planta se aclimate no local. Tem característica de invasora, podendo controlar todo o canteiro.

Em produção de babosa, destinada a fitoterapia o controle sobre substratos deve ser rigoroso, sem uso de agrotóxicos e adubos minerais.

Propagação da Babosa

A propagação é feita pela separação de touceiras, pois os filhotes se desenvolvem nas laterais da muda inicial. Cuidar para que tenham raízes na hora do transplante.

Outros modos de propagação são também usados, como sementes e estacas de folhas. Como a planta floresce uma só vez na vida seria inviável para quem faz produção de babosa. Então o uso de estacas de folhas é uma boa opção.

Cortar a folha madura da planta levando a nervura central, cortar em pedaços na horizontal. Colocar sobre papel toalha ou jornal para que forme um filme no corte. O filme fica opaco quando está pronto e pode levar de horas a mais de um dia.

Plantar em areia levemente úmida, deixando à sombra até que notar que começa a se desenvolver, transplantando então para sacos de cultivo ou vasos, com o mesmo substrato já recomendado.

A colheita e o processamento da planta devem ser feitos em locais próximos e embaladas em recipientes e estocados em câmaras frias, pois ela tem capacidade de oxidação rápida.

Em paisagismo sua aparência não é exuberante como as outras espécies de aloes, mas em conjunto com outras suculentas pode ser usada em projetos de jardins, desde que não seja usada como ponto focal e sim como complemento de outras plantas mais vistosas.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.