Ornamentais

Chlorophytum orchidastrum: aprenda como cuidar do clorofito lumina

A lumina é uma planta que atrai muitos olhares, especialmente pela cor laranja brilhante das bases das suas folhas, de uma forma que só ela tem.

O nome científico desta planta é Chlorophytum orchidastrum. Mas é conhecida de forma popular como lumina ou clorofito lumina. E essa folhagem pertence ao gênero das chlorophytum e a família das agavaceae.

Nativa de regiões tropicais da África, a planta lumina é uma herbácea que atinge uma altura de no máximo 60 centímetros. As folhas são de cor verde, grandes, largas e com uma nervura central alaranjada. Ela é um parente do Clorofito (Chlorophytum comosum), a famosa “planta aranha” que é aquela planta verde e branca muito usada nos jardins.

As flores são pequenas, delicadas e de cor branca. Só que um detalhe interessante sobre essa planta, é que as folhas crescem diretamente do seu rizoma. E a forma de propagar essa planta é através da divisão das touceiras ou do rizoma.

Onde deixar a Lumina?
Ela é uma planta de meia-sombra/sombra, e não gosta de muito sol direto nas folhas, podendo ficar esbranquiçadas ou queimadas. O local deve ser bem iluminado, mas com muita luz indireta, como você normalmente consegue ao deixá-la a 1 ou 2 metros de distância da janela (claro que depende da sua janela, e do ângulo do sol).

Evite locais com correntes de ar, com ar condicionado, ou com ventos constantes, pois a lumina gosta de umidade do ar elevada. Ela até sobrevive em locais com ar um pouco mais seco, mas pode ficar com as pontas queimadas, e perder um pouco seu vigor.

Como regar a Lumina?
Tenha em mente que ela gosta da terra sempre ligeiramente úmida, e não gosta de substrato seco. Lembre que no inverno a terra demora mais a secar, e nas épocas quentes, a terra normalmente seca mais rápido, e você precisará regar com mais frequência. Para saber o momento certo, o ideal é você fincar o dedo no substrato e sentir a umidade. Se sentir que o substrato está solto, mas ainda úmido, este é um bom momento para regar novamente. Se o substrato ainda estiver molhado, e o dedo sair melecado, é melhor esperar um pouco mais, pois ela gosta de terra úmida, mas não encharcada.

Quando chegar o momento de regar, regue bastante, até molhar todo o substrato, o que normalmente se atinge quando a água começa a escorrer pelo furo de drenagem. Jamais deixe água parada nos pratinhos ou cachepôs. Se você regar pouco demais, a planta começará a ficar com as pontas queimadas, e aspecto pálido.

Como trocar de vaso?
Quando a planta cresce, o melhor é trocar de vaso mesmo. Se a planta tiver criado brotos laterais, esse é um bom momento para separar algumas mudas e plantar em outros vasos. Apesar de ser difícil de encontrar, os vasos laranjas ressaltam ainda mais a cor laranja da base das folhas da Lumina, e valoriza a planta como um todo.

Escolha um substrato que retenha bem a umidade, mas que deixe a água ir embora, ou seja, que tenham boa drenagem. Os melhores são aqueles bem ricos em matéria orgânica, que tenham uma cor bem escura. Não recomendo utilizar terra do chão (solo), principalmente se for muito argilosa, pois a terra pode endurecer e atrapalhar o desenvolvimento das raízes da planta.

Como reproduzir?
A melhor forma de reproduzir é pela divisão de touceiras, ou seja, removendo brotos laterais que a planta solta ao longo da vida, como eu já mencionei neste artigo.

No mais, para manter a boa aparência da planta, o ideal é que você limpe as folhas de tempos em tempos com água ou com um pano macio úmido, para que a planta continue brilhosa, e conseguindo receber muita luz para fazer sua fotossíntese.

Produtos recomendados

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.