Ornamentais Plantas

Clorofito: tudo que você precisa saber sobre a planta aranha

O clorofito, também conhecido como gravatinha — de nome científico Chlorophytum comosum — encanta por sua versatilidade.

É uma dessas plantas que precisam de poucos cuidados. Ele tem um formato bem específico, com uma folhagem alongada e densa, que já lhe rendeu diversos nomes populares: gravatinha, planta-aranha e até paulistinha são alguns dos “apelidos” da espécie.

No entanto, o clorofito acaba gerando uma certa confusão por apresentar diversas variedades. Para ajudar as pessoas interessadas em seu cultivo, reunimos nesse artigo tudo o que você precisa saber sobre o clorofito ou planta-aranha! Confira:

Origem e como usá-la em casa

A espécie é originária da África do Sul, o seu habitat natural são os vales fluviais florestados, regiões montanhosas e matagais. Dentre as características principais do clorofito, estão seu porte pequeno e suas folhas pontiagudas. A espécie até costuma dar algumas flores brancas durante o verão, mas o grande charme da planta está mesmo na folhagem.

Versatilidade é o que define os clorofitos. Eles podem ser usados tanto na área externa quanto em ambientes internos, diretamente no solo ou em vasos. Uma dica é usar a espécie para criar bordaduras e desenhos em grandes canteiros, ou usá-las como forração em vasos para plantas mais altas em áreas externas.

Luminosidade

É aí que muita gente acaba se confundindo. Para saber qual o ambiente e luminosidade ideal para a sua planta, é fundamental identificar a variedade do seu clorofito. Basicamente, existem três versões mais cultivadas da planta: o clorofito verde, o Clorofito variegatum e o Clorofito vittatum.

O Chlorophytum Comosum verde – apresenta suas folhas completamente verdes;

O Clorofito que deu origem a todos os outros é o clorofito verde: ele é caracterizado por folhas inteiras verdes. É bastante resistente, e pode ser usada dentro de casa, mas prefere áreas com muito Sol.

Chlorophytum Comosum Variegatum, caracterizado por folhas com o centro verde e bordas brancas;

Já o Clorofito variegatum tem folhas com o centro verde e bordas brancas, e é muito utilizado para bordaduras em áreas externas e em pleno Sol.

O Chlorophytum Comosum Vittatum tem folhas com as partes centrais claras e bordas verdes

A última variação é o clorofito Vittatum, que tem folhas com as partes centrais claras e bordas verdes, e é perfeita para ser usada dentro de casa. É uma planta que aprecia o solo fértil e ambientes de meia-sombra.

Cuidados básicos

Identificado o tipo de clorofito e colocando-o em seu ambiente ideal, a planta exige poucos cuidados. Veja quais são:

Solo

É uma espécie que gosta de solo rico em composto orgânico e úmido, por isso pode abusar de substratos prontos.

Mas uma dica caseira é usar casca de ovo triturada ou borra de café.

Rega

Quanto à rega, é necessário avaliar se a planta estará no Sol ou em meia-sombra, já que o ideal é manter o solo úmido. Para ambientes internos, pode-se regar apenas uma vez por semana, enquanto nas áreas externas pode-se fazer a rega de duas a três vezes na semana, em dias muito ensolarados.

Adubação

No que diz respeito à adubação, a gravatinha não é exigente. Esse procedimento é opcional, mas muito bem-vindo se você quer avolumar as folhagens e deixá-las mais vibrantes. O NPK 4-4-4 líquido, de baixa dosagem, é balanceado e perfeito para tal.

A melhor época do ano para esta manutenção é durante a primavera e o verão. A frequência de aplicação é de, em média, a cada duas semanas. Se após a fertilização as pontas das folhas apresentarem queimaduras, reduza a quantidade pela metade ou suspenda o uso.

Temperatura e umidade ideal

A amplitude térmica mais propícia para o desenvolvimento da gravatinha dá-se entre 18ºC e 32ºC. Se você reside em uma zona subtropical ou tropical, certamente a temperatura não será um empecilho. Entretanto, aqueles que moram em áreas de clima temperado devem prestar atenção ao frio.

Esta herbácea consegue lidar com a friagem de até 10ºC. Abaixo deste limite, as condições climáticas tornam-se nocivas ao ponto de impedir sua sobrevivência. Nesses períodos gélidos, é muito recomendado o seu transporte para áreas internas climatizadas.

Propagação do clorofito

Para o Chlorophytum, existem dois métodos de propagação. A proliferação desta herbácea é muito fácil e baseia-se no nascimento espontâneo de plantas-filhas. Nas estações de primavera e verão, começam a surgir ramos com “miniaturas” da planta-mãe, que constituem as mudas naturais.

O primeiro modo consiste em manter as mudas ligadas à planta original e posicioná-las sobre um vaso paralelo. Quando enraizarem, podem ser cortadas. O segundo jeito é cortar o broto, plantá-lo e mantê-lo constantemente úmido para que as raízes cresçam.

Doenças e pragas

Em relação a doenças, a planta-aranha oferece enorme imunidade. É bastante raro, na verdade, que algum sintoma que venha a manifestar-se esteja ligado a uma enfermidade. Comumente significam problemas de manutenção, como regas em excesso (raízes podres) ou fertilizante em demasia (folhas queimadas).

As pragas, por sua vez, atacam-na como qualquer outro vegetal. Pulgões, moscas-brancas e ácaros-aranha são os principais fregueses de sua seiva. Para liquidá-los, utiliza-se receitas caseiras de sabonete de coco e água, misturas com o óleo de neem e pesticidas cabíveis.

Como replantar o clorofito

Na jardinagem, muitas espécies herbáceas, frutíferas e floríferas precisam do replantio para que o seu desenvolvimento continue vigoroso. O clorofito enquadra-se neste grupo. Quando suas raízes começam a aparecer na superfície do vaso, é hora de transplantá-lo.

Primeiramente, preencha 1/4 do fundo do novo recipiente com a mistura padrão para plantas. Em seguida, insira-o no centro com suas raízes limpas e corte aquelas que estiverem dobrando. Por fim, enterre-o até a base das folhas, sem prensar a terra revolvida.

Poda do clorofito

Apesar de não ser obrigatória, a poda periódica da gravatinha traz uma série de benefícios. Entre eles, há o estímulo do crescimento de novas folhagens mais viçosas e o controle do formato do arbusto. As estações de primavera e verão constituem o período ideal para este procedimento.

Corte as folhas em direção à base, deixando sobrar quatro dedos acima da raiz. As raízes também podem ser reduzidas, com o intuito de manter a planta no seu envasamento original, sem replantá-la. Sempre utilize tesouras afiadas, esterilizadas e apropriadas para este propósito.

Como fazer mudas de clorofito

As mudas da planta-aranha são feitas a partir dos métodos de propagação listados. Depois de repartir os filhotes da planta-mãe, é fundamental ter maior prudência para tratar os brotos jovens. Eles são mais sensíveis e demandam alguns pontos específicos para crescerem.

O solo das mudas deve ser umedecido continuamente, pois requerem mais água do que as plantas adultas. Você pode pôr um saco plástico por cima do vaso para reter o vapor. Além disso, um pouco de sol direto faz bem para maximizar a fotossíntese inicial.

Clorofito é tóxico?

A planta-aranha não é apontada como uma espécie tóxica. No entanto, ela oferece alguns riscos caso seja demasiadamente consumida. Ela não é uma PANC (planta comestível não convencional), mas é curiosamente atrativa para felinos, que parecem apreciar suas folhas.

Essa “degustação” deve-se ao fato de que, na sua química, são encontradas algumas substâncias relativas ao ópio. Elas fazem com que o gato experimente efeitos levemente alucinógenos. Além disso, induzem a comportamentos obsessivos para com a planta.

A ingestão, por outro lado, também pode desencadear diarreia e vômitos. Portanto, impeça que seu bichano alcance as folhagens: utilize vasos suspensos ou spray amargo repelente. Você também pode cultivar a erva-dos-gatos para agradá-lo.

Benefícios do Clorofito

clorofito, como tantas outras, também limpa o dióxido de carbono do ambiente e libera oxigênio durante a fotossíntese da clorofila, esse fenômeno da natureza deixa o ambiente puro, mas também ela limpa o ambiente removendo outras impurezas de outras plantas e auxiliando a purificar ainda mais o ambiente.

Você também pode gostar...

2 comentários

  1. qual a fonte da reportagem ? sobre a plantar ser alucinogéna para gatos

    1. Entendemos a sua preocupação. As fontes que usamos são sites de informação geral sobre plantas e animais, que podem não ter o rigor científico que você deseja. No entanto, não temos acesso a fontes científicas mais especializadas ou confiáveis. Procuramos fazer o nosso melhor para usar as informações disponíveis na web de forma responsável e honesta. Se você quiser saber mais sobre o assunto, sugerimos que você consulte um veterinário ou um botânico qualificado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.