Suculentas

Mãe de milhares: suculenta fácil de cuidar que se reproduz rapidamente

Kalanchoe laetivirens é uma planta suculenta nativa de Madagascar, conhecida como a Mãe de milhares.

Ela produz centenas de pequenos brotos ao longo da borda das folhas, que ao se desprenderem, facilmente se desenvolvem em novas plantas.

É uma planta com uma aparência incomum dentro da família Crassulaceae, com folhas muito longas que ultrapassam os 20 centímetros.

A floração ocorre durante a primavera, dando origem a longos caules com flores rosadas em forma de sino.

Observa-se que em climas com diferenças sazonais distintas de temperatura a floração é mais frequente. Seu porte pode ser facilmente controlado com o plantio em vasos e jardineiras.

Permanecem com pequeno porte em vasos pequenos, e se desenvolvem mais em vasos grandes ou plantadas diretamente em canteiros no jardim.

No paisagismo, seu aspecto curioso pode ser ainda mais valorizado quando plantada em jardins de pedra, com inspiração desértica, e em amplos canteiros contemporâneos, cobertos com pedriscos, valorizando suas cores.

Etimologia do nome Kalanchoe laetivirens

A etimologia do nome consiste em duas partes:

  • Kalanchoe:  Do cantonês “Kalanchauhuy” (伽藍菜) que se traduz em “planta do templo”.
  • Laetivirens:  latim para “fértil e verde”.

Como cultivar mãe de milhares

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em substratos próprios para cactos e suculentas, leve, arenoso, perfeitamente drenável e enriquecido com matéria orgânica.

A irrigação deve ser esparsa, permitindo que o substrato seque entre as regas. As regas assim devem ser mais frequentes na primavera e verão e bastante reduzidas no outono e inverno.

Como muitas suculentas, a mãe-de-milhares não tolera encharcamentos, que levam ao rápido apodrecimento das raízes. Assim, evite utilizar pratos sob os vasinhos ou substrato pesado, com dificuldade de drenagem. Não suporta frio intenso, com neves ou geadas.

Multiplica-se facilmente por estaquia das folhas e do caule e por sementes, além de ser uma planta vivípara, que gera espontaneamente novas mudas no entorno, através da separação dos pequenos brotos que crescem ao longo das folhas.

Planta tôxica! A Kalanchoe laetivirens o que tem de exótica, tem de perigosa, infelizmente todas as estruturas da planta (folhas e caule) são venenosas se forem ingeridas. Ela pode ser letal caso seja consumida por crianças e animais domésticos, principalmente cães e gatos.

Publicidade

banner

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.