Frutíferas Plantas

Maracujá: essa fruta é mais que um simples calmante natural

Os benefícios do maracujá vão muito além da ação relaxante. Todas as partes do maracujazeiro podem ser utilizados. Saiba mais:

O maracujá (Passiflora edulis Sims) é uma planta natural das zonas tropicais das Américas, da família das Passifloraceae. É nativa do Brasil e o seu nome se deve aos índios tupis. Para eles, a aparência do fruto – arredondado e de casca grossa, era parecido com uma cuia- por isso o nome: Mara Kuya (alimento na cuia).

Os espanhóis levaram a fruta para a Europa, que por sua polpa amarelo-escura, de muitas sementes e sabor especial, foi um sucesso. Além de sua belas flores, que no século XVIII, encantaram o Papa Paulo V, quando ele as recebeu de presente. Então o próprio Papa, ordenou que fossem cultivadas em Roma. As flores que tinham vindo da América do Sul, foram consideradas como um sinal para o Papa de que o Evangelho era também para ser espalhado no “Novo Mundo”. Foi aí então que um certo padre Ferrari, em sua obra “De florum cultura”, a classificou como “Passiflora” ou “Flor da Paixão”, ou seja, Paixão do Cristo. Por considerar que a flor parecia ter sido criada por Deus, para perpetuar a lembrança do calvário de Cristo.

A simbologia da flor de maracujá foi relacionada da seguinte forma: os três estigmas correspondiam aos três cravos que prenderam Cristo na cruz; as cinco anteras representavam as cinco chagas; as gavinhas eram os açoites usados para o martirizar; por fim, no formato da flor era visível a imagem da coroa de espinhos levada por Cristo para o ato de crucificação.

Os tons de roxo que colorem a flor simbolizam o sangue derramado por Jesus Cristo. Aliás, a cor roxa é usada nos rituais cristãos durante a Semana Santa. No simbolismo religioso, o formato redondo do fruto maracujá corresponde ao mundo de pecado que Cristo deu a sua vida para o salvar.

Em outras línguas, o maracujá é conhecido como o “fruto da paixão”: passion fruit (em Inglês), fruit de la passion (em Francês), fruta de la pasión (em Espanhol)…

Tipos de maracujá

Entre tantas espécies diferentes, nem todas produzem frutos comestíveis e aproveitáveis. E apenas um pequeno número consegue ocupar espaços nos grandes mercados fruteiros nacionais e internacionais. As mais conhecidas e de maior aplicação comercial são basicamente duas: o maracujá-amarelo (passiflora edulis f. flavicarpa) e o maracujá-roxo (passiflora edulis), variedades de uma mesma espécie, de formato redondo quase perfeito; e o maracujá-doce (passiflora alata) que tem a forma semelhante à de um pequeno mamão.

As variedades de maracujá e suas características:

  • Maracujá amarelo ou azedo (Passiflora edulis f. flavicarpa) : É o mais conhecido pelos brasileiros. Seus frutos podem ser obtidos quase o ano inteiro, principalmente no norte e no nordeste do país.Esse maracujá, amarelo da cor do sol que ele tanto aprecia, possui inúmeras sementes pequenas de cor amarronzada. Quando sua casca enruga completamente, então, é a melhor hora para aproveitar o sabor suculento e azedinho de sua polpa. O maracujá-amarelo é a variedade que apresenta maior produtividade, sendo ideal para doces, geléias, batidas, sucos, refrescos e sorvetes, adoçados à vontade e a gosto.
  • Maracujá roxo (Passiflora edulis): É redondo e menor que o maracujá-amarelo. Reputado como menos ácido do que o outro, o maracujá-roxo é delicioso para o consumo in natura. Prefere os climas subtropicais como os da África do Sul, Austrália e do sul do Brasil.
  • Maracujá doce (Passiflora alata) : Embora originário do Brasil, é o menos conhecido, produzido e consumido pelos brasileiros. Sua polpa doce, de forte e agradável perfume, é até mesmo um pouco enjoativa quando processada na forma de suco e, por esse motivo, ele costuma ser consumido quase exclusivamente in natura.
  • Maracujá-açu (Passiflora quadrangularis): Espécie nativa do norte do Brasil, o maracujá-açu dificilmente medra fora da região amazônica. Sua principal característica é o tamanho do fruto, alongado e de grandes dimensões, chegando a pesar até 3 quilos. De casca amarelo-clara, levemente esverdeada, de polpa consistente e mais espessa do que a das espécies mais comuns, do maracujá-açu aproveita-se quase toda a fruta, exceto a fina casca. Por esse motivo, o maracujá-açu torna-se ideal para a fabricação de doces, mousses e sorvetes. 
  • Maracujá-maçã ou maracujá-de-osso (Passiflora maliformis): Se destaca, especialmente pela forma com que ocorre a sua frutificação e pela beleza e exotismo da flor e do fruto. A flor desse maracujá, grande e perfumadíssima, apresenta uma coloração verde-creme, pontilhada de minúsculas listras violetas. Quando polinizada, as três abas que separam a flor de seu caule, fecham-se sobre ela e o fruto começa a crescer ali dentro, protegido por uma capa de cor creme-esverdeada. Essa capa tem a importante função de proteger a flor e a fruta dos enxames de insetos atraídos por seu perfume e doçura. Bastante doce, a polpa desse maracujá é, no entanto, difícil de se obter: sua casca, extremamente resistente e dura, não se rompe com facilidade, nem com as mãos, nem com facas afiadas, sendo necessário batê-la com vigor, muitas vezes, até mesmo com o auxílio de um martelo.
  • Maracujá-da-serra ou maracujá-ametista (Passiflora amethystina): Fruto nativo da Serra do Mar e de outras regiões serranas de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Trata-se de espécie de excepcional beleza, em especial pelo colorido de sua flor, que apresenta a mesma e preciosa cor ametista da mais brasileira das pedras semipreciosas.
  • Maracujá-tomé-açu (Passiflora coccínea): Um outro exemplo da beleza delicada e do exotismo dos frutos e das flores-da-paixão nativos da América Latina é a trepadeira onde nasce o maracu-já-tomé-açu (Passiflora coccínea). Planta habitante de uma extensa região que vai desde as Guianas até o Estado do Rio Grande do Sul, esse maracujá distingue-se por suas flores de coloração vermelho-escarlate, cujos filamentos apresentam uma variação de cores que vão do púrpura ao cor-de-rosa e ao branco. Além disso, seu fruto ovalado, de pequenas dimensões e de coloração alaranjada com estrias verde-claras, assemelha-se a um pequeníssimo e curioso melão.

Benefícios do maracujá para a saúde

A fruta tropical de sabor doce e ácida ao mesmo tempo é considerada um calmante natural, pois possui um quadro nutricional grandioso, que ajuda a turbinar o nosso sistema imunológico e ainda atua no controle da pressão arterial. Além disso, a fruta é rica em alcaloide e flavonoides, nutrientes que atuam em prol do sistema nervoso.

Essas substâncias acalmam o sistema nervoso central e agem como tranquilizantes e relaxantes musculares. Por isso, tornam o maracujá um aliado ao combate da insônia, irritabilidade, agitação, ansiedade e até mesmo da depressão, atuando diretamente no sistema nervoso central. Por conterem, as folhas e o fruto, um sedativo natural – a passiflora. Como se fosse pouco, o maracujá ainda baixa a taxa de açúcar no sangue.

Todas as partes do maracujazeiro são aproveitadas:

  • Folhas: com elas são feitos medicamentos e chás. Mesmo quem não aprecia o gosto pode tirar proveito de sua ação calmante usando a infusão como base de sucos.
  • Fruto: é rico em nutrientes e sua polpa muito apreciada pelo sabor é ingrediente precioso em receitas como mousses, bolos, molhos para salada, sorvetes, sucos, xaropes, vinagretes e até farofas.
  • Casca: ela é rica em pectina, um tipo de fibra que arrasta gorduras para fora do organismo. É consumida na forma de farinha, misturada em sucos e iogurtes.
  • Sementes: trituradas, entram na fabricação de esfoliantes. Já o óleo extraído delas serve para temperar saladas.

Além dos seu efeito calmante e tranquilizante, o maracujá também é fonte de substâncias que tornam o nosso organismo saudável. Fonte de vitamina A, C e complexo B, o consumo regular da fruta beneficia o sistema imunológico, melhora a visão e atua na prevenção do envelhecimento precoce das células.

Outros benefícios incluem a capacidade de impedir o crescimento de alguns tipos de câncer, estimular a digestão, melhorar e regular o equilíbrio de líquidos do corpo, manter a pressão arterial normal, aumentar a circulação e melhorar a densidade mineral óssea.

Passo a passo de como plantar maracujá

Antes de entender como plantar maracujá, uma etapa importante é a escolha de sementes e da espécie que será cultivada. No primeiro caso é indicado aproveitar as sementes dos próprios frutos: basta lavá-las bem para retirar toda a polpa e depois secá-las. Em relação à espécie, a mais comum no Brasil é o maracujá amarelo, presente em 95% das lavouras.

Feito isso, é hora de preparar o solo e o local para o plantio. Siga para conhecer o passo a passo e plantar maracujá com sucesso!

1 – Plante as sementes em um recipiente pequeno

É indicado que o plantio das sementes seja realizado em um recipiente pequeno e provisório com partes iguais de adubo e terra. Misturar pó de cinzas de madeira a esse substrato é uma boa dica para neutralizar a acidez do solo. Plante de 4 a 6 sementes com uma profundidade de 2 centímetros, aproximadamente, e umedeça em seguida. Mantenha assim até fazer o transporte para o local definitivo, lembrando de jamais deixar o solo encharcado.

2 – Prepare o local de plantio

A germinação das sementes deve demorar de 45 a 70 dias. Neste tempo, é bom já ir preparando um espaço que tenha incidência constante de sol para receber as mudas. Você vai precisar:

  • Montar uma espaldeira: a planta do maracujá é uma espécie de trepadeira, logo, é necessário um apoio. No sistema de espaldeira, estacas de 2,5 metros de altura (50 centímetros delas enterradas no solo) são fincadas a cada cinco metros para proporcionar apoio a arames no topo dos mourões, que vão segurar as plantas.
  • Revolver o solo e enviá-lo para o laboratório: para o plantio comercial, a avaliação do pH do solo é fundamental para garantir a qualidade da colheita. No plantio caseiro, esta etapa não é exigida. Contudo, revolver a terra é importante nos dois casos para arejar e melhorar a permeabilidade do solo.
  • Fazer as covas e adubar: as covas devem ter de 40 a 60 centímetros de diâmetro e profundidade e distantes de 4 a 5 metros umas das outras. Ali deve-se colocar adubo orgânico misturado à farinha de osso, substrato que deve ficar descansando por, pelo menos, 10 dias. Marque os locais das covas para saber onde plantar mais tarde. Essas marcas podem ser feitas com fitilhos ligando o chão ao arame no alto do mourão, que já servirá de guia para a planta.

3 – Transfira as plantas para o local definitivo

Quando as mudas de maracujá já tiverem de 15 a 30 centímetros, elas já podem ser transferidas. Antes disso, uma dica é retirar as mudas menos desenvolvidas e deixar apenas a mais forte. Irrigue todo o local da plantação e, em seguida, faça um buraco na cova de adubo do tamanho do torrão de terra do recipiente original e plante-o ali. Em torno das plantas você pode colocar palhada, aparas de grama ou folhas secas para proteger as mudas do ressecamento e reter a umidade.

4 – Pode e polinize

Conforme as plantas forem crescendo, é importante podá-las para assegurar uma melhor produtividade. Assim, quando ela estiver passando do nível do mourão, é preciso fazer o primeiro corte para elas se ramificarem para as laterais, ocupando os arames. Da mesma maneira, quando elas ultrapassarem os limites do caramanchão, vale cortar para auxiliar na formação de cortinas de plantas. Desse modo, as folhas ficarão bem distribuídas, garantindo a incidência de sol sobre todas elas.

Nesse processo de trato cultural, outra iniciativa importante é fazer a polinização. Isso porque não é qualquer inseto que consegue fazer isso, já que o peso do pólen do maracujá é muito grande e pegajoso para a maioria deles. Assim, o trabalho fica a cargo de um tipo específico de abelha, a mamangava. Contudo, nem sempre elas estão por perto ou são suficientes para fazer esse trabalho, o que exige a intervenção humana para que essa etapa se cumpra com sucesso: basta tocar levemente com a ponta do dedo nas flores das plantas e ir repetindo esse processo para levar o pólen a todas as que estão abertas.

5 – Faça a colheita

Os maracujás estarão prontos para a colheita entre 6 e 9 meses após o plantio. Nesse momento, os frutos começam a cair no chão. Assim, é necessário passar por entre as fileiras coletando os que já tiverem se desprendido e colhendo ainda aqueles maduros que ficaram presos entre os ramos da planta. É importante não deixar maracujás maduros muito tempo no chão porque eles ficam murchos.

Cuidados contra pragas do maracujá

Na fase inicial de desenvolvimento da fruta, o principal problema para quem quer plantar maracujá são as lagartas. Felizmente, esta é uma praga relativamente fácil de contornar: basta usar cebola ou cebolinha por perto e ramos com folhas de cravo-de-defunto. Outras ocorrências incluem pulgões e nematóides.

Naturalmente que, além dos cuidados para evitar as pragas, também é necessário ficar de olho na nutrição das plantas e até mesmo no local em que elas estão crescendo. Capinar frequentemente, com a cautela de não prejudicar as raízes, é um trabalho muito positivo para permitir um desenvolvimento melhor da cultura.


fonte: www.belagro.com.br

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.