Flores

Rosa do deserto: Uma planta forte, porém delicada

A rosa do deserto – nome popular da espécie denominada de Adenium obesum, é uma planta nativa de ambientes áridos do norte da África e do Oriente Médio que assim como as orquídeas ou roseiras comuns, se tornou um vício para muitos jardineiros. 

Embora compartilhem do mesmo nome popular, a rosa do deserto nada tem a ver com a rosa comum. Pertencente à família das apocináceas, é uma planta tipicamente suculenta – ou seja, tem as raízes e caules entumescidos com o objetivo de armazenar água, item escasso em seu ambiente natural, como o deserto do Yemen.

Ela começa a dar flores logo cedo, quando a muda tem apenas alguns centímetros e cabe num vaso minúsculo. Mas é na forma adulta, que pode levar anos ou séculos para atingir, que a rosa-do-deserto se mostra em toda sua estranheza bizarra.

O detalhe curioso é que as partes inchadas, que lembram o aspecto de uma pata de elefante, são compostas basicamente pelas raízes que se projetam para fora do chão. À medida que crescem formam um tronco grosso, semelhante a uma planta bonsai.

O culto à rosa do deserto fez surgir uma infinidade de técnicas que visam produzir combinações de cores inéditas, flores com design diferenciado e principalmente raízes nos formatos mais improváveis.

Ela pode chegar a medir até 4 metros de altura e um metro e meio de largura quando cultivada em seu ambiente natural. A planta é bastante fácil de cultivar, desde que você mantenha os cuidados certos.

Aqui estão algumas ótimas dicas que o ajudarão a manter sua plantinha  prosperando o ano todo!

Como plantar a Rosa do Deserto

Escolha um vaso adequado. O tamanho do vaso vai depender do tamanho da planta. Vasos de cerâmica são uma excelente escolha, pois proporcionam circulação de ar para as raízes. Apesar de precisar de bastante água para se desenvolver saudável, a rosa do deserto não gosta de estar em uma terra muito encharcada. O ideal é adquirir  um vaso que seja largo e baixo, com furinhos no fundo para drenagem do excesso de água.

Como a rosa do deserto tem a aparência de um bonsai, você também pode plantá-la em vasos de bonsai. Vasos de cerâmica, em cores vivas, também podem ser uma ótima opção para aumentar a beleza da planta.

Localização

Por ser uma planta tropical suculenta, originária de regiões desérticas, ela adora se bronzear sob o sol direto e se beneficiará significativamente de 5 a 7 horas de sol direto por dia. Portanto, coloque-a em um local onde receba luz solar direta.

Temperatura

O local ideal para o seu cultivo, deve ser o máximo parecido com o de seu habitat natural. Em regiões tropicais quentes, onde a temperatura varia de 21 a 38ºC, ela pode ficar ao ar livre o ano todo. Não se preocupe se você mora em regiões frias, onde a temperatura pode cair a 7ºC, pois produz muitas flores nessas regiões. Você apenas terá que ter o cuidado de movê-la de volta para dentro de casa quando a temperatura cair abaixo de 4ºC. Procure um canto onde haja bastante incidência de sol e onde a temperatura não fique abaixo de 14ºC.

Preparação do vaso 

O caule da rosa do deserto é grosso e forte, por isso suas raízes também são. Forre o fundo do seu vaso com pedras e TNT para que as raízes não saiam do vaso pode evitar problemas futuros.

O substrato que mais se assemelha ao solo semiárido do habitat natural da rosa do deserto é uma mistura de terra, areia grossa e húmus de minhoca. Esse tipo de material é fácil de encontrar em mercados, lojas agropecuárias e de construção.

Ou então, se você quiser, pode ir a uma loja de jardinagem e fazer a mistura que foi desenvolvida especialmente para rosas do deserto;

  • 65% de vermiculita;
  • 10% de fibra de coco;
  • 10% de areia;
  • 15% de material orgânico

Essa seria a melhor mistura para garantir a drenagem do solo e evitar a podridão das raízes, que é a maior dificuldade no cultivo de rosas do deserto.

Água

É um espécime tolerante à seca que armazena água em seus caules grossos, o que a salvará de regá-la repetidamente. Não exagerar na hora de jogar água é fundamental, pois o solo pode ficar muito encharcado ocasionando o apodrecimento das raízes. A rega infrequente e ocasional é melhor quando o solo fica seco ao toque. A rosa do deserto fica adormecida em invernos rigorosos e pode até perder folhas, portanto, reduza a irrigação uma vez a cada três ou quatro semanas durante esse período.

Fertilizante

Aplicar um fertilizante líquido equilibrado, diluído até um quarto da sua dosagem, todos os meses na primavera e no verão é ideal para promover o crescimento. Se você estiver usando fertilizante granulado, alimente a planta uma vez a cada 3 meses. A planta fica dormente no inverno e não requer nenhum tipo de alimentação.

Poda

 A rosa do deserto possui seiva extremamente tóxica que pode provocar mal-estar, tontura, náusea e vômito. Essa toxina, em sua versão condensada, era usada como veneno para flechas pelas tribos africanas das terras onde a rosa nasce.  Por isso, ao fazer a poda e o replantio, jamais deixe de usar luvas.

Pelo mesmo motivo é bom deixá-la fora do alcance de animais domésticos.

Você pode também pode moldar a planta para se parecer com um bonsai. O uso de fios pode ajudar a dobrar e reposicionar o galho para obter uma forma e tamanho interessantes. Além disso, não se esqueça de remover partes mortas e em decomposição da planta!

Pragas e doenças

Percevejos, pulgões, ácaros-aranha e escamas podem causar alguns problemas para a rosa do deserto, mas, fora isso, a planta está praticamente livre de doenças. A podridão da raiz geralmente ocorre quando é permitido permanecer na água parada por muito tempo. Ele pode mostrar sinais de murchamento se não for plantada no solo em condições para cactos ou suculentas.

Uso da rosa do deserto como planta medicinal

Adenium obesum é importante na medicina tradicional. No Sahel, uma decocção das raízes, sozinha ou em combinação com outras plantas, é usada para tratar doenças venéreas; um extrato da raiz ou casca é usado como banho ou loção para tratar doenças de pele e matar piolhos, enquanto o látex é aplicado em dentes em decomposição e feridas sépticas. Na Somália, uma decocção da raiz como gotas para o nariz é prescrita para a rinite. No norte do Quênia, o látex é esfregado na cabeça contra piolhos e hastes que são aplicadas para matar parasitas da pele de camelos e do gado. A casca é mastigada como abortiva.[7]

Híbridos

As flores da rosa do deserto podem ser encontradas em diversas cores, desde tons de branco, rosa, lilás, vermelho e vinho, até mesmo da cor preta.

Existem também as plantas híbridas que são uma variação diferente da rosa do deserto encontrada na natureza.

Como saber a cor da rosa do deserto

Se você deseja uma cor específica, de uma rosa do deserto, é importante saber a sua procedência e qual a maneira que ela foi cultivada. Se a planta foi cultivada dentro de uma estufa e a polinização foi feita com duas plantas iguais e não teve polinização de insetos é grande as chances de você conseguir a cor desejada.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o plantio da rosa do deserto, é só cultivá-la com amor que você terá sempre uma linda planta em seu jardim para harmonizar e deixar o ambiente ainda mais bonito.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.