Ornamentais Plantas

Singônio: planta rústica que se adapta a qualquer ambiente

De fácil cultivo e baixa manutenção. O singônio, é uma das melhores opções para aqueles cantinhos do jardim em que nenhum tipo de grama vinga devido à baixa luminosidade.

O singônio é frequentemente cultivado por dois motivos: o primeiro, pela sua versatilidade e capacidade em aprimorar o ambiente, seja como objeto de decoração em vasos ou como trepadeiras em muros. O segundo, pela sua ação funcional no local onde vive, seja agindo como um purificador do ar ou, como um equilibrador das energias que rondam o ambiente.

Informações básicas do singônio

GêneroSyngonium
Outros Nomes:Planta-cabeça-de-flecha
Origem:Nicarágua, América Central
Porte:10 a 40 cm
Ciclo de vida:Perene
Floração:Primavera e Verão
Clima:Equatorial, Tropical, Oceânico e Subtropical

O gênero Syngonium é um membro da família Araceae composto por mais de 30 espécies. É um tipo de planta semi-herbácea (ou seja, que possui muito tecido lenhoso), nativa da Nicarágua, Costa Rica e outras regiões da América Central.

O singônio é uma planta de crescimento rápido que muda a coloração das folhas à medida que envelhece. Plantas jovens apresentam folhas simples, claras, com nervuras brancas e nas plantas adultas as folhas são subdividas e completamente verdes. Quando amadurecida produz flores de espata rosada e espádice de coloração creme de importância ornamental secundária.

Popular nos Jardins e parques da cidade, em vasos, quando suspensos, tem efeito pendente muito ornamental. Em canteiros próximos a muros, cercas e árvores o crescimento é vigoroso por ser uma planta trepadeira e usar esses elementos como apoio para se fixar. Em jardins, pode cobrir completamente o chão, substituindo os gramados.

Basta ter a criatividade unida ao cultivo feito da maneira certa e à atenção aos cuidados necessários que o singônio com certeza crescerá de maneira saudável.

Espécies do gênero Syngonium

De modo geral, o singônio e as demais variedades têm como característica principal as folhas verdes e em formato de coração ou de flechas — explicando o porquê do singônio ser conhecido como “Planta-cabeça-de-flecha”.

São conhecidos pelos cultivadores e especialistas por “saginato,” que do latim significa “parecido com uma seta”. Se tratando agora da planta como um todo, pode-se perceber que o singônio possui hastes finas e curtas e um caule um tanto quanto comprido, dependendo do seu tipo.

A família do singônio é muito diversa, possuindo mais de 30 espécies. Segue a abaixo as mais populares.

Syngonium auritum

Essa espécie é caracterizada por possui alta taxa de crescimento, podendo distender uma média de 50-80 centímetros em um ano. Por isso, ela pode ser uma ótima escolha caso você deseja enfeitar alguma árvore ou palmeira do seu jardim ou até mesmo, colocá-la em um vaso suspenso.

Além disso, percebe-se que ela não é a mais delicada se comparada as outras, e sim, um tanto quanto robusta. Possui folhas em um verde muito escuro, bastante largas e permeáveis além dos seus visíveis caules bastante grossos.

Syngonium macrophyllum

A Syngonium macrophyllum tem origem do México ao Equador e possui folhagens bem grandes e assim como as demais, de formato pontiagudo. De um tom de verde médio muito específico, estas possuem as nervuras mais aparentes.

Graças às suas raízes aéreas, esta planta tem a possibilidade de dominar a camada média e superior dos troncos das árvores de florestas tropicais. A partir dessa característica especial, é possível cultivar essa planta em jarros de água ou, em um ambiente com bastante umidade no ar.

Syngonium angustatum

Esta espécie com origem sul-americana e diferentemente das outras, a Syngonium angustatum possui folhagens estreitas e é capaz de ter vários metros de comprimento. As folhagens possuem um tom de verde levemente mais claro e nervuras brancas muito aparentes, fazendo com que a planta se destaque no meio das demais.

Além disso, quando as flores dessa planta estão amadurecidas são de formato de espata e de cor rosada e com a espádice de coloração creme. Em relação aos cuidados, não se difere muito das demais, mas a Syngonium angustatum pede uma adubação rica em matéria orgânica.

Syngonium podophyllum

A Syngonium podophyllum é a mais popular entre aqueles que gostam de cultivar em casa. Esta é originária das florestas da América Central e do Sul, possui o caule fino e o costume de crescer lateralmente.

O que a diferencia das demais é a sua aparência, ou melhor dizendo, a diversidade de cores que pode surgir em suas folhas, sejam elas verdes manchadas de branco, rosa ou púrpura. Esta espécie em especial gosta do solo bem úmido, mas não encharcado.

Como cuidar do singônio

Singônio é uma planta bastante resistente. Ao aguentar solos secos sem muitos nutrientes e com pouca rega, é uma espécie bastante valorizada pelos amantes em jardinagem por exigir manutenções simples para manter as suas folhas sempre lindas e saudáveis.

Confira a seguir tudo o que você precisa saber sobre o cultivo do singônio:

Temperatura

Dado que o singônio é uma espécie de origem tropical, ela se adapta muito bem ao clima aqui do Brasil. A temperatura ideal para o crescimento desta planta é aproximadamente de 25º à 30º, e isso se dá para que o clima seja similar ao das florestas tropicais.

No inverno é preciso estar atento se a temperatura do ambiente está abaixo de 16º, visto que neste período o tempo é seco. Além disso, a presença de correntes de ar de qualquer tipo não ideais para esse tipo de planta.

Luz

Como o singônio se dá muito bem tanto ao lado como cultivadas em grandes árvores de florestas tropicais, o ideal para o singônio é receber luminosidade nos locais de luz difusa, ou seja, plantados à sombra ou meia sombra.

Dessa maneira, serem cultivados no solo em situação de sombra, em troncos de árvores grandes ou em peitoris da janela do lado oeste ou leste (caso esteja plantada no vaso) leva o singônio receber a quantidade de luz solar necessária.

Umidade

A umidade relativa do ar é fundamental para o desenvolvimento de qualquer planta. Mas no caso do singônio, eles necessitam de um ambiente com umidade ideal de 60%-80%. A partir disso, segue duas dicas para você mesmo checar se o seu singônio está em situação de boa umidade.

A primeira é: caso as folhas estiverem secas, limpe-as com uma bola de algodão úmida ou borrife água diariamente. Outra dica que você pode testar é colocar argila expandida e úmida no vaso que ele estiver plantado, isso ajudará a aumentará a umidade do ar.

Rega

Para a rega do singônio é necessário analisar a temperatura do ambiente, mas normalmente é indicado regá-lo 2 vezes por semana. Uma maneira de perceber se a planta está necessitando de água é colocando o dedo no substrato. Se ele estiver muito seco, é a hora da rega.

No entanto, é preciso ficar atento às mudanças que as estações do ano podem incumbir no singônio. Caso o singônio esteja plantado em vaso e vivendo dentro de casa, é preciso ficar atento à redução da rega no inverno e manutenção da rega usual no verão.

Substrato

É ideal que o substrato esteja preparado com duas partes de composto orgânico: uma delas, de areia e a outra, de terra folhosa, relva e turfa. Você pode encontrá-lo pronto em qualquer loja que venda produtos de jardinagem perto de você.

Depois de ter tirado uma muda de outro singônio ou, caso o intuito seja replantá-lo em outro lugar, basta enterrar as raízes da planta com o substrato já preparado e misturado e volte a regá-lo da maneira você estava acostumado.

Fertilização

A fertilização é uma espécie de “alimentação” que a planta necessita para que sejam renovados os nutrientes e sais minerais do seu solo, sendo essencial para o seu desenvolvimento rumo a um ciclo saudável.

No caso do singônio é recomendável alimentá-lo na primavera, período que reinicia um novo ciclo. Para ele, é recomendado o adubo granulado de formula NPK (Nitrogênio-Fósforo-Potássio) de proporção 10-10-10.

A quantidade do produto é referente ao metro quadrado que a planta está cultivada, mas o processo é bem simples: espalhe sobre a terra e regue em seguida, ou misture bem o fertilizante com o solo e pronto, a planta já alimentada.

Toxidade

O singônio parece ser uma folhagem inofensiva, mas o que muitos não sabem é que esta planta é tóxica. De acordo com estudos, o singônio produz uma seiva leitosa que contém cristais de oxalato de cálcio, podendo fazer mal à saúde. Quando essa seiva entra em contato com a pele, pode causar irritações e alergias.

Por isso, antes de manusear o singônio atente-se em colocar luvas, ou, lave bem as mãos depois. Fique em alerta com os mais vulneráveis que estiverem próximos a esta planta, como animais de estimação e crianças. Todo cuidado deve ser pouco.

Como fazer mudas do singônio?

O processo de fazer mudas do singônio é muito simples. Basta cortar com uma tesoura de jardinagem um ramo de aproximadamente 4 centímetros da ponta ao ramo com um par de folhas e manter suas raízes em um recipiente com água.

Como o singônio é adepto a se desenvolver em água logo novas raízes surgirão, e então ela estará pronta para ser plantada. Para o seu desenvolvimento se dar de maneira correta, deve colocá-lo em um local bem iluminado e molhá-lo todos os dias.

Problemas comuns do singônio

Outro cuidado muito importante que devemos ter com todo tipo de planta é o de observar se ela está passando por problemas. E um aspecto positivo do singônio é que, caso a sua sobrevivência esteja em perigo, o problema é facilmente identificado, já que o fator de aviso é a mudança de sua aparência.

Se suas folhas estiverem amarelas o problema deve estar na sua rega, ou está recebendo água demais ou o seu vaso está com dificuldade de escoá-la. Já se as folhas apresentarem pontos amarelos ou brancos há provavelmente a presença de ácaros, e para combatê-los basta aplicar óleo de Neem ou um repelente natural.

Caso você presenciar uma invasão em um estágio avançado, trate o singônio com chá de pó de fumo ou inseticida. O crescimento de folhas espaçadas também é um problema, então, verifique se a poda está sendo feita da forma correta e se a planta necessita de adubação. Se as folhas estiverem menores do que deveriam é porque a iluminação recebida não está sendo a suficiente.

Não se esqueça que o singônio é uma planta de origem tropical, então, o fator da umidade do ar sempre irá ser importante. Mas, cuidado com a temperatura, deixe-o longe do calor e frio extremos. E por fim, não se esqueça que o singônio necessita renovar a sua fonte de nutrientes e sais minerais a partir da fertilização, a cada fim de ciclo.

Vale lembrar ainda sobre o seu fator de toxidade, então, não esqueça de ter os cuidados necessários para manuseá-lo. E, seja qual for a sua ideia para cultivar o singônio não se esqueça das dicas presentes nesse artigo, visto que elas são fundamentais para que ele viva de maneira saudável.


Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.